Fotógrafo retrata Pequim através da silhueta dos moradores da cidade

19/12/2011 § 31 Comentários

O mundo fotográfico não tem fim em relação à criatividade. Estava navegando pela internet e me deparei com fotografias magníficas e de uma criatividade e visão impecáveis.

Para mostrar que uma cidade é feita de pessoas e construídas por suas atitudes, o fotógrafo inglês Jasper James utilizou a cidade de Pequim como objeto para tornar possível a sua ideia brilhante. Para isso, ele fotografou a cidade através das silhuetas dos moradores locais, em cenas naturais e espontâneas.

A série de imagens foi denominada “City Silhouette”. O profissional não especificou os recursos gráficos e digitais que utilizou para produzir os retratos. Fica aqui aquela curiosidade de saber como ele fez esses retratos tão bonitos!

Para ver mais fotos deste projeto basta clicar aqui.

Giovanna Varga

Programa de edição online: Instant Retro.

13/11/2011 § 17 Comentários

Há diversos programas de edição online circulando por aí, mas grande parte deles se popularizou fazendo com que sempre vejamos os mesmos efeitos de sempre nas fotos. Estava navegando pela internet e acabei encontrando o Instant Retro! Vocês já o conhecem?

Ele é um programa de edição de fotos online super interessante que oferece 17 efeitos para dar um ar retrô nas suas fotos! Pelo o que eu tenho reparado, ele ainda não caiu na boca do povo, fazendo com que os efeitos sejam meio que “exclusivos” para quem já o descobriu. O legal do site é que você pode ter a praticidade de pegar suas próprias fotos dos álbuns do Facebook, ou se preferir fazer o upload diretamente do seu computador. Sem contar que ele é super simples de mexer, facilitando muito a vida daqueles que tem preguiça de editar fotos (a.k.a eu!).

Resolvi testar alguns efeitos em fotos tiradas por mim. A primeira foto sempre será a original e, em seguida, será a editada. Vejam:

– Orange Peel:

– Sunrise:

– Vintage:

– Hemingway:

– Glowing Sun:

Giovanna Varga

Você jogaria sua câmera para o alto?

11/09/2011 § 17 Comentários

Quem acompanha o mundo dos blogs deve conhecer uma mania entre os fotógrafos mais criativos e audaciosos: a técnica denominada de camera tossing. A mania, supostamente criada pelo americano Ryan Gallagher, é divulgada em um grupo de usuários do Flickr, onde você encontra imagens como essas abaixo:

A “filosofia” do grupo é jogar para o alto toda a técnica e planejamento da fotografia – incluindo a câmera! Não, você não entendeu errado: os mais corajosos realmente arremessam seus equipamentos, às vezes a mais de dez metros de altura! Ajustadas para capturar em baixa velocidade, as câmeras retornam ao solo com um registro da viagem às alturas. Quando isso é feito no escuro, em frente a luzes coloridas, o efeito desejado é o que vimos acima: algo parecido com o Light Painting. Incrível, não?

Há também quem programe a câmera (ou use o controle remoto das que oferecem o recurso – já disse que eu estou doida para comprar um controle remoto? Facilita muito para os autorretratos!) para capturar várias fotos em seqüência. Em condições de iluminação melhores, o resultado pode ser algo como os exemplos abaixo, que funcionam também como prova de que o sujeito é realmente corajoso (ou rico, claro!) o suficiente para arriscar a câmera.

Embora um dos frequentadores do grupo do Flickr tenha publicado um vídeo em que aparece arremessando sua reflex digital Canon 10D, um modelo inicialmente vendido a US$ 1.500, a maioria dos audaciosos “tossers” o faz apenas com câmeras baratas, já meio velhinhas e usadas, às vezes compradas em saldões após saírem de linha.

É o caso do lançador da moda, que já publicou até fotos de sua surrada Agfa ePhoto CL18 remendada com fita isolante. A câmera de resolução VGA (0,3 MP) com 2 MB de memória interna e sem monitor de LCD nem é mais encontrada para vender, mas um modelo bem superior sai por US$ 30 no eBay. É um lixo para qualquer fotógrafo que se preze – e é por isso que ninguém tem pena de abusar da coitadinha!

É recomendado o uso das digitais mais baratas do mercado, que seriam até mais resistentes do que os modelos avançados. Outra alternativa são câmeras de filme descartáveis, embora essas raramente tenham recursos de contagem regressiva ou controle do tempo de exposição.

De um jeito ou de outro, a maior preocupação deve ser com o “retorno” da câmera. Os mais confiantes simplesmente as agarram com as mãos antes de caírem no chão, mas outros adeptos da prática recomendam aparar a queda esticando a frente da camisa ou mesmo lançando mão de uma rede como as usadas para caçar borboletas. Já sugeriram até um pára-quedas acoplado à câmera, mas ele provavelmente comprometeria a fluidez do movimento capturado.

Gostei bastante dos resultados e fiquei com vontade de tentar. O problema é: Será que eu teria mesmo coragem de arriscar alguma câmera minha, independente dela ser velha ou não? E vocês, arriscariam? Me contem nos comentários!

P.S.: As informações foram retiradas neste site.

Giovanna Varga

 

The past in the present.

25/08/2011 § 21 Comentários

Como de costume, a primeira coisa que eu fiz ao entrar no computador foi ler todos os posts que eu ainda não tinha lido no blog da Nicole e da Luísa, o 9 out of 10. Me deparei com um post relacionado a fotografia e resolvi compartilhar com vocês aqui no blog!

Vocês já conheciam o site Dear Photograph? É um projeto fotográfico que foi nomeado por “Take a picture of a picture from the past in the presente.” Ou seja, tire uma foto de uma foto do passado no presente. Não entenderam? Vejam as fotos:

“Dear Photograph, Grandma was an adventurous woman and had a fantastic sense of humor (even when her street was flooded)! – Chad.” 

“Dear Photography, minha avó era uma mulher aventureira e teve um fantástico senso de humor (mesmo quando sua rua estava inundada!) – Chad.”

Se você entende inglês (não entende? Basta recorrer ao Google tradutor!), é bem interessante e divertido ler as histórias relacionadas as fotografias.

Super interessante, né? Quer ter uma foto relacionada ao tema postada no site? Basta clicar aqui e mandar.

Giovanna Varga

Fotografia? Que nada!

22/08/2011 § 24 Comentários

O artista israelense, radicado em Nova York, Yigal Ozeri, faz pinturas maravilhosamente inusitadas e realistas que confundem o observador: você diria que as imagens abaixo não são fotografias?

Você diria que esta belíssima e encantadora imagem é uma pintura a óleo?

Olhando para a galeria de Yigal, a primeira impressão é pensar que se trata de um editorial de moda comum como qualquer outro. O caso é que não se trata de fotografias e sim de pintura com tinta a óleo. As telas super realistas chegam a confundir absurdamente o observador, gerando um “Uau!” na boca de todos.

E há quem pensa que é um trabalho fácil. Antes de pintar, Yigal fotografa as modelos de verdade e, só depois, imprime as fotos e as usa como guia para começar a pintar. Apreciem algumas de suas obras de arte:

Incrível o trabalho do Yigal, né? Me contem nos comentários o que vocês acharam a respeito das pinturas e qual foram as primeiras impressões ao ver que essas obras não se tratavam de fotografas e sim de pinturas a óleo.

Para ver outras obras do Yigal Ozeri é só clicar aqui.

Giovanna Varga

Project: “Move, eat and learn.”

07/08/2011 § 12 Comentários

Peço desculpas por ter ficado praticamente uma semana sem atualizar aqui. Minhas aulas voltaram na segunda e com ritmo super intenso. Minhas provas já voltaram e só terminarão no começo de setembro, mas irei me esforçar para postar o máximo possível no meu tempo livre. Gostaria de agradecer os comentários dizendo que gostaram do blog e me elogiando. Saibam que cada comentário, é um incentivo a mais para eu continuar com o blog e saber que vocês aprovaram os temas e posts.

Estava de bobeira pelo Twitter e me deparei com um simples “Inacreditável” e o link de um vídeo. Decidi clicar e ver o que era e, realmente, fiquei deslumbrada com o que eu tinha acabado de ver. Acredito que vocês também ficarão deslumbrados ou até mais do que isso ao ver/ler o post de hoje. O post será com mais textos do que o normal, mas recomendo que vocês leiam. Os textos foram traduzidos e escritos por mim e espero que vocês curtam. Garanto que valerá a pena saber um pouco mais sobre essa grande aventura.

A STA Travel Austrália enviou três rapazes para uma incrível viagem ao redor do mundo. Rick Mereki, Andrew Lees e Tim White foram os escolhidos. A partir dessa viagem, foi criado um projeto intitulado como “Move, it and learn”. “Mover-se, comer e aprender”, em português. A ideia principal era criar três vídeos com cada uma das palavras do projeto relatando momentos e passagens pelos países visitados e o resultado foi surpreendente.

A viagem durou 6 semanas, eles visitaram 11 países, pegaram 18 vôos, percorreram 38 mil milhas, presenciaram um vulcão em erupção, usaram 2 câmeras e tiraram quase 1 terabyte de imagens para realizar o projeto. O mais interessante de toda essa história é que eles conseguiram criar 3 curtas-metragens com mais ou menos um minuto cada com toda essa jornada. E, agora, apresento-lhes os três vídeos mais incríveis relacionados à aventura que eu já vi na vida:

“Move, eat and learn.”

No canal do Rick Mereki no Vimeo, ele postou a seguinte frase “A trip of a lifetime.” Significa “A viagem de uma vida”, em português. Depois de ler isso, fiquei com uma vontade inimaginável de um dia fazer uma viagem desse tipo e registrar cada momento me inspirando nesses vídeos. E, convenhamos, o que é esse Andrew Lees, o rapaz que aparece nos vídeos? É muita beleza para um homem só, pelo menos na minha concepção.

As músicas foram compostas por Kelsey James e gravadas por Jake Phillips. Todas as informações deste post foram retiradas e traduzidas no site da STA Travel, no Canal do Youtube da STA Travel e nos vídeos do Vimeo do Rick Mereki.

Demorei para escrever e elaborar esse post, mas eu realmente espero que vocês tenham gostado!

Giovanna Varga

Onde estou?

Você está navegando atualmente a Novidades categoria em Photography is my drug.